14 de fevereiro de 2019

a filosofia da sazonalidade

Desde que eu comecei a falar sobre esse assunto (lá em meados de 2014) percebo que as pessoas tem muita curiosidade sobre isso, sobretudo no Brasil, por ser um país tropical onde essa ideia de estações não parece fazer muito sentido. Por isso decidi que 2019 seria o ano onde eu perderia o receio de falar sobre essa filosofia de vida da qual sou adepta e tentaria desconstruir tantas ideias erradas que giram em torno dela, mostrando como no fundo a sazonalidade pode ser uma coisa incrível, capaz de te curar de problemas que cada dia mais tomam nossa sociedade.

Então pra começar essa história, farei uma regressão para o ano de 2014, quando conheci o blog vida organizada e me interessei muito por ideias como “decorar segundo a estação” e “comer comidas da época”. Isso me despertou para um universo tão mágico de possibilidades que comecei a aderir certos comportamentos que foram moldando a minha mentalidade cada vez mais interessada nesse assunto. Logo em seguida eu fiz um mergulho muito profundo em estudos espiritualistas e fui percebendo o quanto tudo no universo é tão cíclico e com isso foi natural que eu entendesse também, a importância de vivermos cada momento de forma única e cada ciclo na sua energia. Assim em meados de 2015 eu começava a praticar o que seria a base para a minha filosofia da sazonalidade, sendo que somente em 2018 isso estava maduro o suficiente para eu me sentir segura de praticar isso abertamente. O motivo para isso? Os anos de 2016 e 2017, onde eu tive um colapso total das minhas estruturas e encontrei na sazonalidade a forma de me reestruturar e a cura.

Falar sobre isso é sempre difícil, mas acho que hoje eu me sinto um pouco mais segura.  De forma bem resumida, o que houve em 2016 foi uma depressão muito profunda que me assolou quase o ano todo. Eu adoeci de uma forma tão forte que tudo na minha vida acabou desmoronando. Eu fiquei um caco e estacionei a minha vida completamente. Quando comecei a me recuperar em 2017 passei por um período de crises de ansiedade tão fortes que eu quase não conseguia sair de casa. Tudo me assustava e parecia muito maior do que realmente era. E então, eu perdi as coisas mais importantes, a minha confiança interna e a minha independência. Para mim aquilo era o fundo do poço e eu mal me reconhecia. Então posso dizer que durante dois anos eu fiquei doente. Porém passado esse período eu comecei a me recuperar e depois desse período de expurgo, entendi que meu problema estava em não conseguir conexão com o presente, pois quanto não estava vivendo o passado (depressão) focava muito no futuro (ansiedade) e era isso que estava me adoecendo.

Foi assim que minha meta para 2018 se tornou focar no presente, viver o hoje e curtir cada momento. Eu precisava de alguma coisa que me ajudasse nessa conexão e então lembrei da sazonalidade e do quanto ela me fazia feliz em 2014, que foi um dos anos mais bacanas da minha vida. Comecei então a traçar planos para cada estação, experimentar comidas típicas, mudar a decoração a cada 3 meses, traçar experiências legais de acordo com a época… Todo esse movimento me dava energia e um fluxo de criação que alimentava minha alma. Já não queria mais pensar no passado porque o presente era mais divertido e não me assustava o futuro porque dentro de mim tudo estava mais seguro, porque eu sabia que cada coisa tinha seu tempo. Se hoje eu vou para praia porque é verão, em julho eu poderia ir em uma cafeteria e não há motivo para eu querer fazer tudo ao mesmo tempo. Isso ajudou a organizar a minha mente de uma forma incrível e foi assim que achei a minha cura. Depois de um ano me sentindo progressivamente melhor a cada dia, comecei esse blog que foi a expressão máxima dessa cura.

A verdade é que a sazonalidade é algo tão complexo que em um artigo eu não conseguiria destrincha-la. Por isso eu pretendo escrever muitos posts ao longo do ano explicando melhor esses pontos. Desmistificar que sazonalidade tenha a ver necessariamente com o clima e sim mostrar que existe uma relação com a energia do universo. Mostrar os benefícios que ela traz para a nossa mente e como pode ser uma maneira divertida de viver a vida. Exemplificar como ela nos ajuda a economizar e viver uma vida mais consciente.  Enfim, muitas coisas. É importante dizer que não acho que todo mundo deva aderir a essa ideia. Ou mesmo que tudo que eu faço seja a melhor forma de viver essa filosofia, porém como adepta, minha intenção é iniciar um debate sobre ela, para que assim, quem sabe do outro lado, caso você se sinta inspirado, para também começar trilhar a sua jornada rumo a ela. Se não fossem as pessoas que me introduziram essa ideia, talvez até hoje eu tivesse me sentindo um lixo.

Por isso eu acredito que cada pessoa tem um caminho e o meu é esse. A sazonalidade já foi algo muito mais forte em nossa sociedade e hoje ela meio que se perdeu com a avalanche de novidades que chegam a nós a cada momento. Eu quero resgatar isso e é um propósito para mim. Uma vida mais orgânica e conectada com a natureza é o caminho para mim. E eu nunca precisei fugir às montanhas para isso. Eu encontro paz e conexão toda vez que tomo um sorvete no verão e me lembro que aquele é o momento da colheita.

E é isso. Prometo não demorar para soltar mais posts sobre o assunto. Paralelo a isso, pretendo manter o registro cotidiano da minha vida na prática, passeios, comidas e tudo que eu faço de acordo com cada estação. Portanto espero que gostem e não deixem de comentar, porque essa troca de ideias é parte mais legal de manter um blog ❤

Leia esses também

    bolo de primavera
    Primavera, uma época de colheita de frutos
    o outono, as perdas e o leite de amêndoas
    sazonalidade e a arte de viver com o essencial
esse post trata de:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comments


630 No bloglovin 8,1K No instagram 2,8K No pinterest